Vento Sudoeste – Luiz Alfredo Garcia-Roza

Lembram do desafio Livrada 2015? Então, Vento Sudoeste foi o livro que eu escolhi para a categoria de romance policial. Eu sou totalmente leiga nesse gênero, Vento Sudoeste foi meu primeiro romance policial e eu confesso que sempre tive preguiça desses livros. Mas desafios existem pra gente sair dessa zona de conforto e se permitir experimentar novos gêneros.

Eu na verdade escolhi que ia ler alguma coisa desse autor justamente por causa do blog Livrada. Uma vez o Yuri recomendou esse autor por lá e eu achei justo dar uma chance por ser um autor nacional contemporâneo que eu não conhecia.

Antes de dar a minha opinião sobre o livro, vamos contextualizar. Pelo que eu vejo por ai, geralmente cada autor de livro policial tem um grande investigador. No caso do Garcia-Roza o grande investigador é o Espinosa. O Espinosa é carioca e não é nenhum investigador fora do comum. Na verdade ele é um delegado bem comum, com o diferencial de ser um policial muito correto. Em Vento Sudoeste o Espinosa recebe a visita de um cara que quer conversar sobre um crime que ainda não aconteceu. O problema todo é que no ultimo aniversário do moço um vidente previu que ele cometeria um assassinato antes do próximo aniversário. Como a data já estava bem próxima, o moço resolve procurar ajuda profissional. E ai o resto é romance policial e qualquer coisa que eu fale pode ser spoiler, não é isso?

Bem, vamos ao veredito. Eu gosto muito de ler livros contemporâneos nacionais e acompanhar as personagens vivendo nos cenários que a gente conhece (nem que seja só pela TV) e gostei bastante do Espinosa, mas detestei todos os outros personagens. Eu tive vários problemas com esse livro. Primeiro porque me irritou o tanto que o personagem principal, o Gabriel, surta por causa da previsão de um vidente que encontrou ele em um bar qualquer na madrugada. Os personagens ficam obcecados por esse possível crime, enquanto outros crimes reais acontecem. Outra coisa que me incomodou bastante foi a mãe do Gabriel. A senhorinha encana que o filho ta com o próprio capiroto no corpo e por isso tem voltado para casa mais tarde e o comportamento dele não é mais o mesmo. E ela enche o saco de tanto que fala da salvação divina, pelo menos eu achei isso bem cansativo. Não tenho muita paciência pra nenhum tipo de fanatismo.

Além disso acho que o livro ficou com alguns pequenos furos. Por exemplo, a relação do Gabriel com os colegas de trabalho, principalmente com Olga que é a amiga que mais ajuda ele com esse super problema, fica muito superficial. Tudo bem que ele era bem fechado, mas a relação dele com Olga era mais próxima e muita coisa sobre eles aparece de um jeito muito jogado na história e eu fiquei me perguntando como, quando e onde tudo aquilo aconteceu. Não me convenceu. Outra coisa que não me convenceu nada foi o tal vento sudoeste. O autor tentou fazer uma coisa meio Mary  Poppins, sempre que vento sopra em uma determinada direção coisas estranhas acontecem, quando bate o vendo sudoeste as coisas ficam tensas no Rio de Janeiro. Mas não colou, ficou muito vazio e jogado na historia. Me incomodei com os diálogos também. Tem toda uma historinha sobre o Espinosa adotar um cachorrinho e conversas com uma vizinha de 13 anos que são coisas desnecessárias sabe? Não mudava nada na historia principal, não tinha nada de importante e só criava uma atmosfera de “Espinosa tem uma vida fora do DP”.

Mas a maior decepção: antes da metade eu já sabia quem era o assassino e eu realmente estava certa! Qual a graça de acertar assim? E não é porque eu sou muito inteligente e manjo muito das investigações. Eu acho que o livro é muito obvio mesmo. A gente tem as principais características das personagens e sabendo isso é impossível não perceber quem é o mais propenso a cometer os crimes que acontecem.

Acho que já deu pra perceber que eu não gostei desse livro não é mesmo? Mas foi muito bom ter lido porque agora eu me libertei da preguiça dos romances policiais e quero ler pelo menos mais um e ver se esse livro que não me agradou mesmo ou se o gênero não é pra mim.

Vocês já leram esse livro? Gostaram? Aceito argumentos pra me convencer que esse livro não foi assim tão sem sal. Também aceito sugestões de livros policiais.

Vento Sudoeste foi publicado pela Companhia das Letras e tem 210 páginas de um enredo que não me agradou.

assinatura

Anúncios

Um comentário sobre “Vento Sudoeste – Luiz Alfredo Garcia-Roza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s