Concluindo a leitura compartilhada de Orlando, uma biografia – Virginia Woolf

Em Setembro a Editora Autêntica lançou uma nova edição (maravilhosa por sinal) de Orlando. E para divulgar, e também para aproveitar a oportunidade, a Francine Ramos do Livro&Café (blog e canal) fez a Leitura Compartilhada de Orlando.

Eu só fui ler alguma coisa da Virginia Woolf esse ano. Comecei com o livro Um teto todo seu, que é maravilhoso. Depois comecei a ler o livro O valor do riso, que é uma coletânea de ensaios e que estou lendo muito aos poucos e me apaixonando por cada texto. Eu não gosto dessas ideias, mas Virginia era sim uma autora que me intimidava. Começar a ler a autora por livros de ensaio me ajudou a ir quebrando essa imagem e o bloqueio e também me deu uma boa ideia do que eu vou encontrar nas obras dela, porque querendo ou não agora eu já conheço um tanto da visão de mundo que ela tinha.

DSC05730Foto1

Quando a Fran anunciou o projeto de leitura eu topei na hora porque seria uma ótima oportunidade de conhecer um romance de fato da Virginia. E que bom que eu topei! Entrei meio atrasada no projeto, mas deu tudo certo.

Na minha visão, Orlando é um romance que trata de alguns assuntos muito discutidos em vários ensaios da Virginia Woolf. Eu achei que esse livro e o Um teto todo seu casam perfeitamente.

Em um teto todo seu a Virginia levanta uma discussão sobre o papel da mulher na literatura. Sobre como as mulheres foram privadas por muitos anos, sobre porque encontramos menos livros escritos por mulheres e enfim, várias discussões sobre o machismo na sociedade. Apesar do foco ser literatura ela fala sobre o papel que a mulher exercia desde sempre dentro da família e da sociedade. Em Orlando a discussão é mais ou menos parecida.

O narrador do livro se diz biografo e nos conta a história de Orlando. Conhecemos Orlando como um garoto de 16 anos, que vivia no séc XVI e chamava muita atenção por sua beleza. Orlando vivia em um castelo muito grande e tinha contato com a realeza e a alta sociedade da Inglaterra. Logo no inicio ele sofre uma grande desilusão amorosa que vai marcar sua vida. Além de chamar atenção pela beleza, ele era considerado um jovem muito educado e muito charmoso.

DSC05723Foto1

O livro é recheado de eventos fantásticos. De tempos em tempos Orlando entra em um sono profundo que dura uma semana, e toda vez que isso acontece sua vida muda completamente. Aos 30 anos, quando acordou de um desses sonos, Orlando deixou de ser homem e acordou como uma mulher e é nesse momento que o livro fica ainda mais bonito.

O mais legal é que Orlando não fica angustiado com essa mudança, tudo é tratado com muita naturalidade e ele aos poucos começa a analisar o que mudou na sua vida junto com essa mudança de gênero. De uma maneira muito sutil a narrativa começa a comparar o modo como a sociedade tratava Orlando homem e Orlando mulher, o que as pessoas esperavam dele em cada fase da vida, o que ele se sentia confortável fazendo. Todas essas discussões aparecem de forma muito leve e muito espontânea. São coisas do dia a dia de Orlando que fazem o personagem refletir sobre as mudanças culturais e o narrador também reflete junto, mas sem impor uma opinião. É como se ela jogasse a bomba pro leitor lidar sozinho.

Além disso, Orlando vive do final do séc XVI até o inicio do século XX. Pois é, nada é muito comum na vida dessa personagem. O legal é que vamos acompanhando as transformações sociais desse período na Inglaterra.

Orlando era apaixonado por literatura. São varias cenas em que Orlando tem um papel e uma pena na mão e começa a escrever poemas, ler manuscritos e etc. Muita coisa muda na forma como as pessoas se relacionam com a literatura ao longo desses 300 anos. Ao longo da história vão aparecer discussões sobre como idealizamos os gênios da literatura, sobre a nossa relação com o livro objeto, sobre a escrita e etc.

Esse livro é muito rico mesmo. Chega a ser difícil falar sobre essa história.

DSC05726Foto1

Já falei aqui várias coisas e sinto que ainda não cheguei no ponto principal. Orlando é aquele tipo de livro que você começa a ler e lá pela metade do primeiro capítulo, no máximo no começo do segundo capítulo, você pensa “ok, acho que são tantas informações que eu vou precisar reler para absorver tudo”. De forma alguma a leitura dele é cansativa. Esse livro me encantou em cada detalhe. São muitas frases bonitas, são cenários fantásticos, são passagens que fazem você sentir uma espécie de magia que existe nas pequenas coisas do mundo, são reflexões que uma mulher escreveu lá em 1928 e que continuam tão atuais.

Orlando é um personagem extremamente sensível. Ele é apaixonado pela arte, pela beleza, pela alegria, a natureza, a poesia… tudo fascina ele e deixa o leitor fascinado junto. É como se você sentisse com ele todas as emoções. Alias, esse é um livro que desperta muitas emoções diferentes e muitas sensações fortes. Eu continuo sentindo que ainda não falei tudo o que eu queria sobre esse livro, mas é que eu gostei demais dele e é preciso que você leia também para entender do que estou falando.

A leitura é muito fluida e prende demais o leitor. Eu gostei muito mesmo do livro. Li pelo kindle e sempre que eu leio um e-book eu marco muitas passagens, mas com Orlando, assim como foi com A elegância do ouriço, eu marquei quase metade do livro. Eram muitas frases sensacionais, intensas e que cutucam mesmo o leitor.  Como por exemplo nessas passagens:

Lembrava agora como, quando era rapaz, insistira em que todas as mulheres deviam ser obedientes, castas, perfumadas e caprichosamente enfeitadas. “Agora tenho que pagar pessoalmente por esses desejos” refletiu; “pois as mulheres não são (julgando pela minha própria curta experiência do sexo) obedientes, castas, perfumadas e caprichosamente enfeitadas por natureza

Nada, porém, pode ser mais arrogante, embora nada seja mais comum, do que assentar que de deuses só existe um, e de religiões nenhuma outra senão a de quem fala.

“Que vale ser uma linda mulher, na flor da idade”, perguntava, “se tenho que passar todas as minhas manhãs observando varejeiras azuis com um arquiduque?”

O que eu não gostei na leitura foi o meu e-book. Como eu arrumei uma versão qualquer na internet veio com vários probleminhas de frases meio sem sentido, palavras cortadas, não dava pra mudar a fonte…enfim, não gostei do meu arquivo. Mas ai não tem nada a ver com o livro em si né?

Fiquei feliz demais por ter participado dessa leitura compartilhada, principalmente porque quebrou de vez o meu medinho de Virginia Woolf. Achei que a leitura foi realmente muito gostosa e muito viciante. recomendo demais esse livro, entrou para a lista de melhores leituras do ano. Alias, a Fran já falou várias vezes no canal e no blog, que esse é um ótimo livro para conhecer a autora.

Orlando tem 288 páginas e você pode encontrar várias edições diferentes. Como já falei, recentemente saiu uma edição linda da Autêntica em capa dura e com textos extras, mas tem também da editora saraiva, da penguin e veja só, esse livro também está disponível para o Kindle Unlimited. Devia ter conferido isso antes e ter lido uma edição melhorzinha, mas já foi. Mas por favor, se você for ler esse livro no Kindle (ou qualquer outro e-reader) preste atenção na hora de escolher o arquivo, dependendo da qualidade do e-book você pode prejudicar muito a sua experiência de leitura (ainda quero falar sobre isso em outro post).

PS: A capa do meu kindle é da loja Doce Quimera. Já comentei sobre essa loja em um outro post, mas fica mais uma vez a dica de que essa loja é muito bacana e tem várias opções de capas para livros e e-readers.

Anúncios

11 comentários sobre “Concluindo a leitura compartilhada de Orlando, uma biografia – Virginia Woolf

  1. Que máximo! Sempre quis ler Virginia com mais afinco. Li Mrs Dalloway e tenho Todo dia. Livros lindo… Confesso que Mrs Dalloway li com uma certa dificuldade até me acertar com o estilo da escrita. Mas, quero reler para me aprofundar mais sobre a autora.

    Muito bacana esta ideia de leitura compartilhada. Tenho feito uma leitura compartilhada com uma amiga de um único livro e tem sido muito gratificante do livro “O amante de Lady Chatterley”…

    Queria ter mais tempo para ler mais e mais…

    Abraços

    Curtir

    1. Mrs Dalloway é um dos livros que eu mais quero ler, mas realmente falam que ele não é muito simples até mesmo por causa do fluxo de consciência.
      Leituras compartilhadas são muito divertidas, principalmente porque ao longo da leitura a gente pode trocar algumas impressões de leitura e o livro fica ainda mais intenso. Gostei muito! Foi a segunda vez que eu participei de uma leitura assim e foi muito bom.
      E eu não conheço esse livro “O amante de Lady Chatterley”, você tá gostando?

      Beijos

      Curtido por 1 pessoa

      1. Sim… Em Mrs Dolloway tem essa complicação…uma hora é um personagem e na sequência já não é mais. Isso dificulta e torna uma leitura mais lenta. Mas, é ótimo e quero reler.

        O amante de Lady Chatterley é maravilhoso, estamos indo para o capítulo 17 e tem rendido muitas discussões ótimas.

        Vou fazer uma resenha deste livro que acho que vou ter que dividir em umas 3 partes de tanta coisa boa que dá pra abordar e refletir…

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s